terça-feira, 19 de janeiro de 2010

AI O MALANDRO DO CHEFE

2 comentários:

O Profeta disse...

O troar do trovão, esta incessante chuva
As estrelas choram todas as mágoas na terra
Onde param os Anjos, porque não nos acodem os Santos
O mal e o bem porfiam esta eterna guerra

As casas do sul ruiram todas
Tal como a esperança desesperada
Toquei no rosto de uma criança triste
Senti uma paz surgir do nada


Mágico beijo

MARA disse...

Que belo poema. Há tantas crianças tristes que, olhá-las nos aperta o coração.

O meu abraço
também mágico

Mara